Como criar um Clube de Leitura

Sem mistérios, um clube de leitura é um evento social que propicia às pessoas trocarem experiências literárias. A princípio, é uma conversa informal que gira em torno desse tópico comum, um livro preferencialmente já lido pelos demais integrantes do grupo.

Existem inúmeras formas de organizar um clube de leitura; abaixo indicarei algumas páginas que contem informações importantes a respeito. Suponhamos que queiras formar um clube, por que se dar ao trabalho?

  1. Porque é algo social. As pessoas tendem a cumprir melhor suas metas quando tomadas em conjunto, porque, digamos, o espírito de grupo as motiva mais do que se seguissem sozinhas. As médias de leitura no Brasil são baixíssimas e o simples ato de entregar livros às pessoas nada resolverá; é preciso gerar estímulo, não restringir-se à leitura como um passatempo entre tantos outros. Os clubes de leitura tornam os livros numa fonte de relação entre indivíduos.
  2. Porque é uma experiência intelectual. Além do ato de ler, a expectativa de um clube de leitura gera a reflexão sobre aquilo que se leu. As impressões e os pensamentos acerca das obras se tornam mais claros com a necessidade de expressão exterior. E mais do que isso. As conversas revelam pontos de vista e possibilidades de leitura que uma pessoa sozinha não teria, o que só faz engrandecer o entendimento que cada um tem das obras que foram compartilhadas.
  3. É divertido, gostoso mesmo de se participar. Quando o clube é bem conduzido as pessoas saem mais leves, mais felizes por terem interagido. Quem não se sente um pouquinho melhor quando tem à sua frente um grupo que lhe presta atenção? E é assim com cada participante. Se um clube é bom, a primeira frase que se ouvirá tão logo termine um encontro será: “Não vejo a hora do próximo clube”.

Ficaste com vontade de montar um clube? Primeiro, sabe que não é demasiado complicado e que pessoalmente recomendo te juntares a um grupo pré-existente. Digo isso para que possas te testar, ver quais são os rumos que uma conversa pode tomar, que tipos de pessoas hás de encontrar e, sobretudo, para que tenhas assiduidade nas leituras e nas discussões.

A maioria dos grupos precisará da figura de um moderador ou de uma moderadora. Essa figura de nenhum modo é responsável por censurar os integrantes do clube nem dizer o que ali é certo ou errado. Não existe certo ou errado num clube de leitura, não se deve tolher a participação do outro nem acanhá-la. O objetivo é justamente deixar todos à vontade para se expressarem.

No entanto, o moderador será útil em muitas ocasiões. Ele é geralmente a pessoa mais empolgada com o clube e quem se esforçará mais para manter o grupo unido. Portanto, é de suma importância que esse indivíduo seja responsável e assíduo, para que o clube não se desfaça sem essa referência.

Nos países de língua inglesa os clubes de leitura têm grande tradição e difusão. Através de iniciativas individuais, bibliotecas, instituições de ensino, meios de comunicação de rádio e estrelas de televisão; grandes livrarias e até editoras estimulam a criação e manutenção de clubes, inclusive com o oferecimento de parcerias e guias de como montar tais grupos. (No final da página listarei de novo todos os endereços desses manuais, todos em inglês).

Já no Brasil o processo ainda está em evolução. Quem tem feito uma boa iniciativa nesse sentido é a recém fundida Penguin-Companhia das Letras, que conta com um programa de clubes de leitura espalhados por várias cidades brasileiras, nos moldes da Penguin internacional.

Então, vamos montar um clube? Divido em três os aspectos principais que deverás pensar bastante e com antecedência. São eles: o evento, as pessoas e as conversas.

1. O evento:

No evento incluo tudo que diz respeito à parte organizacional do clube. Será público? Privado a um grupo de conhecidos? Onde será? Será virtual? Será na casa de alguém, num espaço público ou privado? Esse lugar aceita o recebimento do grupo? Quando será? Que dia e horário são mais viáveis? Qual o propósito do clube e que gêneros de livros serão lidos? Pois existem clubes dos mais variados, dos mais comuns, que são livros de ficção adulta, a clubes voltados exclusivamente para determinadas áreas do conhecimento ou para livros infantis.

Além disso, como funcionarão os encontros. Haverá espaço para todos? Haverá divulgação? Haverá limite de tempo? Com que frequência se realizarão? Disponibilizar-se-á comida, bebida? Quem arcará com os custos? Como se conseguirão os livros? Esse é um ponto importante, pois a compra de livros poderá sair cara para a maioria dos participantes e muitas cidades do Brasil ainda sofrem com a carência até de bibliotecas.

Tudo isso deve ser levado em conta para tornar o clube mais atrativo e acessível às pessoas. E em todas essas questões será bom consultar a opinião de outros.

2. Os participantes:

Caso já se tenha amigos e conhecidos interessados em leitura, tanto mais fácil. Se desejas criar um evento aberto ao público, será mais interessante começar com umas poucas pessoas amigas dos livros e aos poucos expandir para aqueles que lhes são mais arredios. Não te preocupes, assim que o clube estiver bem encaminhado e ele conseguir contentar seus participantes, então outros integrantes serão atraídos para ele, mesmo que de início não sejam ávidos leitores.

Podes procurar pessoas com interesse em comum pela internet. Em português já existe uma rede social para clubes de leitura e há outras tantas focadas no público leitor, como Goodreads e Skoob. Basta procurar ali pessoas próximas a ti e ver no que dá. Ou pode-se também – aliás, deve-se – divulgar a ideia nos meios que estiverem disponíveis: Facebook, blogues, boca-a-boca… Tudo deve ser tentado, pois a parte mais trabalhosa é montar esse primeiro grupo coeso e interessado, para que se torne interessante a ponto de atrair os demais.

Outra forma de se conseguir integrantes é contar com o apoio de alguma instituição ou empresa. Por exemplo, bibliotecas, livrarias, cafés ou empresas das mais variadas, todos têm um público habitual e grande exposição. Se propores uma parceria, podes oferecer a iniciativa e eles poderão em troca te oferecer divulgação ao público.

Esse tipo de acordo é vantajoso a ambas as partes, mas tenhas cuidado com imposições por parte desses lugares. Não concordes com aquilo que não te sentes confortável. Se alguma associação te parece estranha, tenta em outro lugar. E é crucial que esse lugar esteja pronto para receber os integrantes do clube de leitura à hora e no dia marcados. Para atrair mais pessoas um clube precisa ser rígido em sua organização externa, no sentido de apresentar segurança e ordem ao público, ainda que flexível em sua organização interna. Trato disso no próximo tópico.

3. As conversas:

Tu, como futuro moderador e cidadão, percebes que há inúmeras formas de uma conversa desandar. Agressividade, crítica destrutiva, solipsismo, ensimesmamento, descaso… são todos componentes das relações humanas que podes e provavelmente irás encontrar ao longo desse clube em andamento. Porém, se fores mesmo o moderador, terás como tarefa reconduzir a conversa para fins produtivos e prazenteiros.

A princípio, parecerá desarrazoado indicar aqui a leitura do livro Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, de Dale Carnegie. Não se veja aqui o termo “influenciar” de forma meramente negativa; somos capazes de também influenciarmos alguém positivamente e é assim que deves trabalhar.

Um caso típico é o daquela pessoa que monopoliza a conversa, surda às opiniões dos outros e a forçar as suas o tempo inteiro. Nessa situação é aconselhável não cortá-la com bruteza, muito menos mandar-lhe “calar a boca”. Aí a melhor estratégia parece-me de procurar reinserir o grupo com alguma fala do tipo: “Certo, Fulana, essa é uma opinião interessante. Ciclana, o que você acha disso e daquilo?”.

Ser moderador envolve sobretudo jogo de cintura. O maior desafio é deixar a todos confortáveis para expressarem-se e instigá-los a participarem sem ter também o monopólio das falas. O moderador deve ter tanta participação quanto os demais integrantes do grupo.

Haverá momentos de timidez e haverá silêncio. Nessas horas te servirão perguntas e observações feitas de antemão para o clube, pois os assuntos tendem a se esgotarem com o passar das falas e são necessárias pequenas intervenções para revigorar o ânimo da discussão. Ao leres o livro, pensa já em questões que te interessam e que poderiam interessar aos demais. O que será que acharam de determinado personagem? Como certa cena encaixa-se no conjunto do livro? Há alguma mensagem na obra, o que acharam dela?

Caso faltem ideias, muitos sites de editoras fornecem tópicos de discussão. Informa-te, conduze pesquisas, prepara-te para possíveis perguntas, mas não te aches na responsabilidade de saber tudo sobre os livros que lerem. Se tudo soubesses o clube te seria inútil. O clube não é lugar de lecionar, é lugar para dialogar, pensar juntos.

E prepara-te para aceitar aqueles que não cumprirão as leituras. Não os deixes desconfortáveis, pois isso os desestimulará a voltarem. Pelo contrário, dize que é compreensível e ressalta os benefícios de concluir as leituras, pois os argumentos serão melhor baseados e o prazer de saber do que os outros falam será maior.

Se lês inglês, todos os guias que listo abaixo mostrar-se-ão úteis. Mas tem cuidado: não sejas inflexível. O clube, enquanto evento social, deve representar a vontade do grupo. Talvez teu plano inicial seja ler apenas ficção, então o grupo sugere uma biografia ou um livro de História. Se isso for melhor para o grupo, usa de flexibilidade. Podes ir longe a ponto de o clube ter seu próprio estatuto, contudo isso me parece exagerado. Para mim o objetivo geral de um clube de leitura é tirar o melhor e o máximo de cada livro.

Uma vez que o clube esteja em andamento e com bom funcionamento, essas indicações serão mais um hábito de boa convivência do que regras propriamente ditas. E em se tratar de pessoas encontrarás questões que nem o mais experiente é capaz de prever.

Meus últimos conselhos são estes: nunca desistas, nunca desistas, nunca desistas. Verás que as pessoas são dadas a faltar seus compromissos e te surpreenderás que até mesmo as mais empolgadas são passíveis de mudar subitamente de atitude. Mas não desistas! Segue tua iniciativa com prazer e entusiasmo. O pior que pode acontecer é teres lido um livro e, convenhamos, isso já é muito bom.

Guias para montar um clube de leitura:
http://readers.penguin.co.uk/static/readersgroupstartareadersgroup/index.html
http://www.barnesandnoble.com/u/reading-groups-book-clubs/379001223/
http://www.readinggroupguides.com/roundtable/start.asp
http://www.bbc.co.uk/radio4/features/book-club/running-a-club/
http://www.wikihow.com/Start-a-Book-Group
http://www.oprah.com/oprahsbookclub/How-to-Start-Your-Own-Book-Club

No Brasil:
http://www.companhiadasletras.com.br/penguin/eventos.php

Redes sociais para leitores:
http://www.clubedaleitura.pt/clubes/como-organizar-um-clube/
http://www.goodreads.com/group
http://www.skoob.com.br/

1 comentário Adicione o seu

  1. jhenifer disse:

    eu achei muito interresante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *