Os filmes de Alfred Hitchcock sempre foram recheados de heróis em apuros, belas donzelas em perigo e vilões memoráveis. Aqui está o TOP ≈10 de melhores antagonistas criados pelo Mestre do Suspense.

1. Lars Thorwald (Raymond Burr), em Janela Indiscreta (Rear Window). Ele pode não ser o vilão mais completo, ou o que põe mais medo, mas com certeza é o mais efetivo. Na maior parte do tempo o vemos de longe e só possui uma fala, já perto do final, contudo o tememos profundamente.

2. Norman Bates (Anthony Perkins), em Psicose (Psycho).  Um vilão muito mais próximo do terror do que do suspense. Aparece em uma das cenas mais conhecidas e marcantes da história do cinema.

3. Alexander Sebastian (Claude Rains), em Interlúdio (Notorious). Rains, excelente ator, mostrou na quintessência da obra hitchcockiana o exemplo de vilão sofisticado, muito imitado desde então.

4. Bruno Antony (Robert Walker), em Pacto Sinistro (Strangers on a Train). Walker deu interpretou com vigor o lunático Bruno no filme mais expressionista do diretor.

5. Charlie Oakley (Joseph Cotten), em A Sombra de uma Dúvida (Shadow of a Doubt). Um dos poucos casos, dentro da filmografia de Hitchcock, no qual acompanhamos o vilão, ao invés dos mocinhos, mas logo somos seduzidos pela presença de Charlotte (Teresa Wright). Até que ponto torcemos pelo protagonista, mesmo que ele seja mau?

6. Praticamente tudo que tem asas e não é avião em Os Pássaros (The Birds). Aliás, graças às inovações em efeitos especiais empregadas pela equipe técnica, os pássaros são muito mais convincentes do que os atores humanos. A cena do parquinho é memorável.

7. Phillip Vandamm (James Mason) e Leonard (Martin Landau), em Intriga International (North by Northwest). Mason dá vida a outro vilão sofisticado, mas desta vez com o acréscimo de Leonard, seu capanga, que parece ter algo mais do que respeito por seu chefe. Não seria o primeiro caso de vilões com relação homoafetiva; em Trama Macabra (Rope), do próprio Hitchcock, os personagens são claramente homossexuais. Até a franquia James Bond já flertou com essa possibilidade, em 007 – Os Diamantes São Eternos (Diamonds Are Forever), com Mr. Kidd e Mr. Wint.

8. Tony Wendice (Ray Milland), em Disque M Para Matar (Dial M For Muder). Alguém que planeja matar alguém tão bonita quanto Margot (Grace Kelly) não merece qualquer simpatia, mas a interpretação de Milland como patife é excelente.

9.  Gavin Elster (Tom Helmore), Madeleine Elster (Kim Novak) e John ‘Scottie’ Ferguson (James Stewart), em Um Corpo que Cai (Vertigo). Neste filme, tido por muitos como um dos melhores do cinema mundial, o personagem de Stewart é perseguido por um complô contra si e por seus demônios psicológicos. Atua, portanto, como o próprio vilão.

10. Brandon Shaw (John Dall) e Phillip Morgan (Farley Granger), em Festim Diabólico (Rope). Outra situação em que não sabemos se torcemos pelos vilões ou contra eles, uma vez que são também os protagonistas.